LUDUTOPIA

quinta-feira, 2 de julho de 2015

"Em Parte Incerta", de Gillian Flynn


Sinopse:
Uma manhã de verão no Missouri. Nick e Amy celebram o 5º aniversário de casamento. Enquanto se fazem reservas e embrulham presentes, a bela Amy desaparece. E quando Nick começa a ler o diário da mulher, descobre coisas verdadeiramente inesperadas…
Com a pressão da polícia e dos media, Nick começa a desenrolar um rol de mentiras, falsidades e comportamentos pouco adequados. Ele está evasivo, é verdade, e amargo - mas será mesmo um assassino?
Entretanto, todos os casais da cidade já se perguntam, se conhecem de facto a pessoa que amam. Nick, apoiado pela gémea Margo, assegura que é inocente. A questão é que, se não foi ele, onde está a sua mulher? E o que estaria dentro daquela caixa de prata escondida atrás do armário de Amy?

Ficha técnica:
Título original: Gone Girl
Autora: Gillian Flynn
Editora: Bertrand Editora
Nº de páginas: 520

Opinião (sem spoilers):
Sabem aquela sensação ao terminar um bom livro? Pois, foi isso mesmo que me aconteceu! Fiquei completamente rendido a "Em Parte Incerta". A premissa é do mais simples que há: uma mulher, Amy, desaparece e o marido, Nick, é suspeito. Ao longo do livro acompanhamos a luta dele para tentar descobrir o que aconteceu (ou será que não foi tudo planeado por ele?), bem como a forma que a polícia lida com o caso, juntamente com as famílias dos protagonistas.
A autora brinda-nos com pequenas revelações ao longo dos capítulos... Até chegarmos à derradeira reviravolta! Confesso que não fiquei tão surpreendido assim, eu já estava a contar que algo semelhante tivesse acontecido, mas nunca, nunca me passou pela cabeça que fosse daquela forma. Foi isso que realmente me deixou chocado! A explicação de tudo foi ainda mais bela. Gillian Flynn foi bastante perspicaz. Conseguiu criar uma personagem adorável, ou pelo menos compreendida, para depois nos atirar um balde de água fria na cara e gritar "TOMEM LÁ, BITCHES". Mas o pior disto tudo é que gostei ainda mais da personagem! Devo ter alguma queda por gente louca. Só pode! 
Gillian Flynn tem a capacidade de nos fazer amar uma personagem e odiar outra, para a situação se converter nas páginas a seguir. Essa brincadeira criada por ela, enriquece a narrativa e torna o livro mais rico e real, porque ninguém é inteiramente bom, nem inteiramente mau.
Gostei bastante das reflexões que o Nick e a Amy fizeram ao longo do livro, acerca da humanidade e das relações entre elas. Passo a citar uma das que mais gostei:
"Já não sei se somos realmente humanos nesta altura, aqueles de nós que são como a maior parte, e que cresceram com televisão e filmes e agora Internet. Se somos traídos, sabemos as palavras que devemos dizer; quando um ente querido morre, sabemos as palavras que devemos dizer. Se quisermos fazer o papel de conquistador, espertalhão ou idiota, sabemos as palavras que devemos dizer. Trabalhamos todos a partir do mesmo guião já muito batido.
É um período muito difícil para se ser uma pessoa, uma pessoa a sério e real, em vez de uma coleção de traços de personalidade selecionados a partir de uma máquina de venda automática de personagens.
E se todos estamos a representar, não pode existir uma alma gémea, porque não temos almas genuínas.
Tinha chegado a um ponto em que parecia que já nada importava, pois eu não sou uma pessoa a sério e os outros também não.
Teria feito o que fosse preciso para me sentir outra vez real."
É incrível como esta citação define todo o livro logo nas primeiras páginas. Mostra-nos o quanto Amy e Nick se dedicam num casamento, mentindo com palavras que à partida já vão agradar o outro. Mostra-nos o quanto uma relação é construído com base em mentiras para a prolongar. Mas será que ao sermos sincero não prejudicamos ainda mais essa relação? E quem é sincero nos dias de hoje? Tal como escreveu Gillian, "trabalhos todos a partir do mesmo guião já muito batido". Todos nós já sabemos o que dizer aos outros em qualquer altura. Todos nós sabemos mentir a nós próprios também, acreditando que isto ou aquilo é o melhor para a relação. Enfim, é impossível não nos identificarmos com Amy e Nick. E olhem... Terminei o livro a não querer nenhuma relação. Juro! Antes só que mal acompanhado!
O livro já foi adaptado para os cinemas e pretendo ver o filme em breve! Toda a gente diz que é bom! Como não ser, não é? Deixo-vos aqui o trailer:

Recentemente, foi editado pela Bertrand Editora um dos primeiros livros de Gillian Flynn, "Objetos Cortantes", e eu já o quero comprar! Gostei imenso da escrita da autora e, como tal, pretendo comprar outras obras dela e delirar tal como em "Em Parte Incerta".

Classificação:

18 comentários:

  1. Obrigado por me fazeres adicionar mais um livro à minha wishlist. Fiquei mesmo interessado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muahahaha Mas olha, lê o livro antes de veres o filme! :P

      Eliminar
  2. Eu quero tanto ver o filme, mas tenho a politica de ler os livros antes de ver a respectiva adaptação, por isso ainda estão os dois em stand by. x) Precido de mais tempo!

    Carla, Pepita Mágica | Facebook

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredita que lerás este livro muito rápido, Carla. Eu li num fds :p

      Também sou adepto da tua política, tanto que só vi o filme depois de ter lido o livro :)

      Eliminar
  3. Olá,
    Adorei o livro como sabes, senti o que sentiste ao longo da leitura, tanto amamos como odiamos o Nick e a Amy. Mas esta última é uma psicopata por completo mas enfim. Vê o filme, eu vi logo de seguida e fiquei ainda mais impressionada com a história, é fabuloso.
    Beijinhos e boas leituras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu super amo a Amy! Tornou-se uma das minhas personagens literárias favoritas <3

      Eliminar
  4. Estou "mortinha" por ler o livro! Já vi o filme. Não esperava nada dele (porque não gosto do Affleck) e deixou-me de queixo caído. Muito bom, mesmo!

    Isa,
    http://isamirtilo.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A prestação do Affleck é mediana, mas a da Rosamund é excelente. Foi a Amy perfeita! :D

      Eliminar
  5. Li todos os livros dela...Sharp Objects é o meu preferido seguido por Gone Girl e por fim Dark Places!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu já coloquei os restantes livros da autora na lista "para comprar" ahaha

      Eliminar
  6. Olá Ludgero!
    Há tanto tempo que quero ler este livro mas vou adiando sem saber bem porquê.
    E a tua opinião, juntamente com a Carla deixaram-me ainda com mais vontade portanto talvez leia agora durante a maratona para a semana dos thrillers ;)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não adies mais, Tita! O livro é muito bom :D

      Eliminar
    2. Acho que o vou ler agora esta semana para a maratona de inverno... afinal de contas é a semana dos thrillers e acho que consigo ler As Instruções da Pitonisa e Em Parte Incerta! ;)
      Bjs

      Eliminar
  7. Olá Ludgero!
    Antes de mais, descobri este teu espaço há pouco tempo e já gosto muito dele. Vou acompanhar! :)
    O livro... Pois, também li há pouco tempo e adorei! Daqueles livros que nos deixam a pensar durante vários dias mesmo depois de o termos fechado a arrumado. Como disse na minha opinião, é assustadoramente humano, e acho que é isso que o torna tão bom. Porque, tal como também referes, ninguém é totalmente bom nem totalmente mau...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Cristina :) Obrigado por seguires o blog :D Exactamente, é assustadoramente humano porque pode acontecer com qualquer um de nós e é impossível não nos revermos nas personagens... até na Amy!

      Eliminar
  8. É o que chega para me deixar curiosa :o

    Beijinho

    www.wordsofsophie.com

    ResponderEliminar
  9. Com este livro tive uma relação um pouco conflituosa.. adorei a escrita e todo o enredo mas detestei as personagens.. :P
    Mas adorei o filme e como conseguiram passar do livro para a tela..
    Quero muito ler mais coisas da autora..
    Beijinhos*

    ResponderEliminar